quinta-feira, 5 de junho de 2014

HISTÓRIA DA FÁBRICA DA MACAXEIRA

O bairro da Macaxeira, situado na zona norte do Recife,  recebeu esse nome devido um sítio que ali se localizava em que seu dono possuía uma plantação de macaxeira. Então quando alguém se referia ao lugar  chamava-o de "macaxeira". Por volta de 1895, construiu-se no local do sítio de macaxeira a Fábrica de Tecido de Apipucos que a princípio era uma pequena fábrica de panos de estopa utilizados para ensacar açúcar.

Coronel Othon Lynch Bezerra de Mello.


Família Bezerra de Mello em 1941.


Em 1924, Othon Lynch Bezerra de Melo, comerciante natural de Limoeiro, secretário da Associação Comercial de Pernambuco, comprou a pequena fábrica e a transformou na Fábrica de Tecidos Bezerra de Melo. O Sr. Othon, conhecido como Coronel Othon, investidor e visionário foi buscar fora do Brasil maquinários que modernizaram a fabricação de tecidos em Pernambuco, tornando-se assim um dos maiores empresários do estado.
Fábrica da Macaxeira em 1926. Detalhe para a linha do bonde.

Fábrica da Macaxeira em 1928.

A partir do crescimento da fábrica o bairro foi se desenvolvendo ao redor, e o empresário começou a construir um complexo fabril no bairro. Construiu o Grupo Escolar Maria Amália, a Loja de Fábrica, o Recreio e o bairro cresceu.
Antiga Delegacia da Macaxeira. Atualmente uma sementeira.

Antiga loja de fábrica. Atualmente uma floricultura.

Antiga calçada da feira livre. Cruzamento do sinal.

Antigo Grupo Escolar fundado em 1929. Escola Maria Amália.

Antigo Recreio dos funcionários. Atual Escola Diácono Abel Gueiros.

Subida do Antigo Casarão dos Othon.

Em 10 de abril de 1925 foi criada a Sociedade Anônima do ramo têxtil Cotonifício Othon Bezerra de Melo, formada de agrupamento das quatro fábricas de sua propriedade: três de tecidos, a Maria Amália e a Bezerra de Melo (ambas no centro da cidade) além da Apipucos; e da fábrica de artefato de tecidos chamada de Anita, localizada na Várzea.
Como era um empreendedor muito comprometido com o seu trabalho resolveu construir sua residência em cima de um morro, localizado em frente a fábrica, pois da janela de seu quarto observava todo o movimento dos trabalhadores. Atualmente resta apenas a ruína abandonada da casa localizada do outro lado da avenida Norte.
Vista panorâmica do Casarão dos Othon.

Ruínas do Casarão.

Ruínas do Casarão.

O Cotonifício Othon foi responsável pelo povoamento da região e atualmente ainda escutamos histórias de familiares de antigos operários que lá trabalharam e constituíram suas famílias na vila que se desenvolveu ao redor.
O empresário Othon Lynch Bezerra de Mello faleceu em 08 de fevereiro de 1970 as vésperas de completar 90 anos de idade, após sua morte todo o empreendimento industrial passou a ser administrado por herdeiros, chegando ao fechamento da fábrica na década de 80, não se sabe ao certo o ano, uns comentam que em 1983, outros que em 1989. O que restou foi um imenso patrimônio abandonado durante anos.
A Fábrica em 1980.

A Fábrica antes da construção do parque.

Parte interna da fábrica antes da reforma. Atualmente a nossa escola.

Entrada da Fábrica, antes da reforma.

Uma área de 10 ha que ficou abandonada por quase 30 anos, até que em novembro de 2012 no local começou a ser construído o Parque Urbano da Macaxeira e a nossa Escola Técnica Estadual Miguel Batista.

Toda a estrutura externa foi preservada devido ao seu valor histórico. O prédio de nossa escola foi inaugurado no dia 03 de abril de 2014 pelo então governador Eduardo Campos contando também com a presença do Secretário das Cidades Danilo Cabral e Secretário de Educação Ricardo Dantas, entre outras autoridades.
Placa de inauguração.

Governador Eduardo Campos.

Fachada da Fábrica preservada.

Nossa escola conta com uma estrutura de primeiro mundo visando a excelência do aprendizado dos cursos técnicos aqui oferecidos de Informática e Redes de Computadores.
Pátio central

Lateral do pátio.

Secretaria da escola.

Auditório.

Lateral do bloco administrativo.

Atualmente contamos com 149 alunos divididos em 04 turmas.
Nossa gestora Maria Medeiros e professores.

ETE Miguel Batista.

ETE MIGUEL BATISTA preservando a nossa história.

REFERÊNCIAS:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Othon_Bezerra_de_Melo
http://ocarvel.blogspot.com.br/2012/07/fabrica-da-macaxeira-historia-de-um.html
http://www.lugaresesquecidos.com.br/2011/02/patrimonio-abandonado-da-familia-othon.html
https://www.youtube.com/watch?v=3uAUtD2YAZk
 


25 comentários:

  1. Imagens belíssimas acompanhadas de um importante resgate histórico. Vamos continuar alimentando nosso blog.

    ResponderExcluir
  2. Está linda a escola!! Gostei muito do resgate da história! Parabéns Mércia!
    Betânia Cordeiro (Liceu Nóbrega)

    ResponderExcluir
  3. Como sou historiadora, sou suspeita para falar.. Amei a pesquisa feita. Passo muitas vezes pela Macaxeira, e nunca imaginei como é rica a História desse bairro. Parabens!

    ResponderExcluir
  4. Pois é pessoal!!!! E ainda a muito o que ser resgatado. Esta semana visitei a obra da Biblioteca Multimídia e a sensação é de entrar no túnel do tempo ao olhar algumas paredes que estão sendo preservadas... Descobri que os engenheiros encontraram o túnel que acreditava-se ser uma lenda, mas que de fato existiu e seguia da sala da diretoria para o Casarão dos Othon. Fantástico.

    ResponderExcluir
  5. Parabéns, pessoal! Um excelente trabalho de resgate histórico!

    ResponderExcluir
  6. Muito bom! Fiquei super feliz em ler um pouco da história. Cresci andando em frente a fábrica. Ainda lembro de passar em sua calçada quando criança e ouvir o barulho das máquinas. Lembro também do soar da sirene de manhã.
    Bem, nasci em 1984; então a fábrica só pode ter deixado de funcionar depois deste ano obviamente.
    Eliane Gonçalves.

    ResponderExcluir
  7. publica sobre quem foi maria amalia casada com o coronel Othon.

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. Moro bem perto da Escola. Assisti uma reportagem na TV onde vocês falaram sobre esse trabalho. Parabéns! Excelente trabalho, um resgate importante da nossa história. Sugiro que criem uma galeria de fotos em alta resolução. Abraço!

    ResponderExcluir
  10. Olá interresei muito pela historia do empresario tudo começou porque eu sou de limoeiro e morro na rua trav. othon bezerra de melo e é claro pelo nome ja visto (rsrs) foi quando um homem falou sobre ele e dai pesquisei e gostei pela forma em um grande empresario!

    ResponderExcluir
  11. A quem interessar, encontrei uma excelente pesquisa relacionada ao bairro e a antiga fábrica. Meu pai trabalhou por muitos anos nessa fábrica, na ocasião, eu ainda não tinha nascido, mas lembro bem das histórias contadas por ele do seu tempo de trabalho
    http://ocarvel.blogspot.com.br/2012/07/fabrica-da-macaxeira-historia-de-um.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Thiago, eu estou pesquisando a origem de minha família por parte de minha mãe, e meu avô trabalhou na fábrica de macaxeira, eu gostaria de saber da possibilidade de resgatar os registros de funcionários, obrigada

      Excluir
  12. Eu, Roberto jose da silva, trabalhei na fabrica coronel othon meu pai ze bossista, musico da antiga orquestra. Eu, vive aquele momento, varios amigos daquela epoca. Estudei no colegio maria amalia. Frequentava a gravacao, um tempo que nunca esqecerei. Morei muito tempo no corrego de jenipapo. Inclusive jogava no uniao da macaxeira e que 2a quadro o treinador era antonio da esquina. Grandes amigos. Abrao, bandinha, capile, ranilso, vanderley, Pato e tantos outros. Naquela epoca frequentava a gravacao, o cruzeiro... grandes amigos: durval, Ronaldo, Rogoberto, Menininho, Lalo pequeno e lalo grande. Que tempo inesquecivel. Um tempo que jamais ezquecerei. Espero encontrar alguns desses amigos para partilhar aqueles tempos idos que continuam no meu SEr. Tantos amigos que a lembraca faz voltar. Trabalhei no ano de 1974 na bobina. Vivi meus momentos naquele circulo de um espaciotemporal no corrego do jenipapo, macaxeira e burite. Meu irmao Mauricio (falecido), Fernando Pioca jogava no cruzeiro e Gildo. Meu pai Jose caetano, ze bossista, minha mae MAria VAnilda. Meu tio Sebastiao, leda. Gostaria muito de contactar com aqueles velhos amigos e de outros que nao citei mas devem lembrar. Segue meu email. RJ_silvaf@hotmail.com (81) 99127 0399 ou 9 8171 8959

    ResponderExcluir
  13. muito bom moro aki perto da fabricar e a minha vó trabalhou lar com 14 ano gostei muito dessa reportagem e gostaria que falassem do negocio que saia fumaça e na hora que a fabrica apitava obg pela atenção

    ResponderExcluir
  14. Nossa! Desde de pequeno passo na frente da antiga fabrica, mas não tinha esse conhecimento de toda estrutura envolvida, desde o antigo casarão a escola e a parte da antiga feira.
    Parabéns, quando estava lento, um filme passou em minha cabeça.

    ResponderExcluir
  15. Ótimo trabalho de resgate histórico , eu estou a vários anos pesquisando a origem de minha família materna que residiram em Casa Amarela e meu avô trabalhou na fábrica de macaxeira, tem como resgatar documentos de funcionários dessa fábrica? Obrigada

    ResponderExcluir
  16. Fico feliz em ver alguns relatos históricos que fizeram parte de minha familia,pois meu avô paterno era Jose clementino Bezerra de Melo trabalhou na fabrica, não sei qual parentesco, gostaria muito de saber.

    ResponderExcluir
  17. Olá Mercia Passos! Você sabe informar a quem pertence atualmente o antigo casarão do cel. Othon?

    ResponderExcluir
  18. Muito boa essa história,nasci em 1982,e quando criança eu escutava um som muito alto vindo dessa fábrica.Na época morava no córrego da telha,próximo a fábrica "São Mateus" que fechou e olha que é longe,mas mesmo assim...eu escutava.

    ResponderExcluir
  19. Que legal!! Minha mãe também trabalhou nessa fábrica. Fomos a Recife em 2015. Minha mãe ainda estava viva.Atualmente moro em Guarujá/ Sao Paulo. As suas histórias, incluindo às da fabrica estão em minhas memórias.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hoje fizeram uma praça para vândalos eram para criar um lugar de emprego para a população não e verdade Raquel?

      Excluir
  20. Pena ter acabado uma grande fabrica q empregava muitas pessoas hoje fizeram uma praça para q dar muitos vândalos perturbando os moradores e quebrando suas vidraças precisando de uma mudança urgente no meu ver era para fazer um empreendimento para criar emprego para o povo não praça

    ResponderExcluir